quarta-feira, Junho 28, 2006

Foral Grande Escolha 2000




Depois de mais de um ano em repouso na garrafeira do Vinho da Casa, é agora servido este Foral Grande Escolha 2000 esperando que já esteja "bebível", pois outra garrafa aberta anteriormente mostrava ainda um forte presença tânica e aromas muito fechados.

É elaborado com Tinta Barroca, Touriga Franca e Tinta Roriz e tem 13% vol, pelas Caves Aliança, entidade que tem Quintas espalhadas por quase todo o país.

As uvas foram colhidas à mão para caixas de 20 kg, sendo transportadas para a adega da Quinta dos Quatro Ventos. Após um desengace total, foram maceradas durante cerca de 5 dias a frio. A fermentação alcoólica decorreu em cubas de inox, seguido de uma maceração pós-fermentativa.
No final segue-se um estágio em carvalho francês de 12 meses.
Foram engarrafadas 82.951 garrafas

A cor é rubi de boa concentração, com reflexos avermelhados.

Em termos aromáticos, a presença da madeira marca a prova, com terro, fumo e alguma resina, deixando a fruta preta para segundo plano, antevendo que poderemos encontrar na boca um vinho quente.

E é isso que se verifica, a maderia continua bem presente na boca, com uma acidez adequada, o vinho mostra-se encorpado, austero, pois os taninos ainda estão presentes, mas já permitem uma boa prova de boca, no entanto pouco frutado, com a presença de frutos secos e com um final abaunilhado. O final é que não convence muito, pois aparece algum vegetal...

É portanto um vinho virado para um prato de carnes fortes ou mesmo de caça, aliás assim recomenda o produtor,pois estamos perante um vinho cheio, forte e pouco frutado.

Em 2004, o preço rondava os 7 euros.

Nota 15

terça-feira, Junho 27, 2006

Dia do Vinho

Ora, dia 2 de Julho comemora-se o dia do Vinho, e como tal, o Vinho da Casa sugere que façam uma visita à magnífica Cidade do Porto,onde mais uma vez a Essência do Vinho, põe ao dispôr o Palácio da Bolsa para realizar uma série de eventos a não perder.





O programa será o seguinte:

De 30 de Junho a 2 de Julho
TOUR DE DEGUSTAÇÃO
Ao jantar descubra menus especiais, que poderão ser acompanhados de vinhos de qualidade a copo em restaurantes seleccionados no Grande Porto. Conheça os restaurantes aderentes em www.essenciadovinho.com

Sábado, 1 de Julho
PINK WINE PARTY
A partir das 22h00, uma festa divertida e informal com vinhos rosé e música seleccionada pelo Dj Lui-g. ENTRADA LIVRE.

Domingo, 2 de Julho
GRANDE PROVA : "VINHO - UM SEGREDO EM CADA GARRAFA"
15h-20h - Palácio da Bolsa - Galerias
Produtores e enólogos estarão presentes para desvendar os segredos por trás de cada garrafa. Em ambiente divertido, informal e com música que o Dj Pedro Botelho seleccionou para este momento. ENTRADA LIVRE.

WINE GAMES

Através dos jogos sensoriais “Descubra a Casta” e “Aromas do Vinho” divirta-se e descubra os aromas e sabores das castas portuguesas.



LIGAÇÕES "QUEIJOS & VINHOS"

Prova de queijos franceses Président.

Duas coisas boas juntas são bem melhores que uma. O casamento de queijos franceses com vinhos portugueses é uma combinação irresistível que vale a pena ser provada!

EXPOSIÇÃO “PROVA-ME” João Miguel Carvalho

Durante este dia será apresentado um conjunto de trabalhos deste artista plástico, sob o tema do vinho. Coordenador e ilustrador do livro/ álbum “Douro – A Nova Geração”, apresentado em 2005 na Fundação de Serralves.

HAPPY HOURS
A Loja Essência do Vinho, localizada no Palácio da Bolsa, oferece-lhe 10% de desconto na compra de vinhos durante este dia.

Palácio da Bolsa
Rua Ferreira Borges - Porto
Tel. 22 2088499

Organização : Viniportugal / Essência do Vinho

Apoios : Apcor, A Hora de Baco, RTP N, Associação Comercial do Porto, Revista blue Wine


Informação retirada do site www.essenciadovinho.com

A não perder o dia de Domingo.

domingo, Junho 25, 2006

Vinho da Casa reconhecido pela Revista de Vinhos

É com grande orgulho e simpatia que venho aqui colocar este post.

Na edição de Junho da Revista de Vinhos, a qual sofreu uma revolução gráfica, inaugurou um espaço destinado à Internet, na página 76 onde a notícia era dar a conhecer aos leitores os Blogs sobre Vinhos existentes, o Blog Vinho da Casa aparece, juntamente com outros 9 Blogs.

Todos eles com grande paixão pelo vinho, e todos eles sem qualquer fim concorrencial.
Visto ser um projecto apenas elaborado por mim, venho em nome do Vinho da Casa, agradacer o reconhecimento feito pela Revista, e dando votos de confiança a todos os leitores de que poderão contar com muitas novidades e contínuas notas de prova sobre vinhos.

Uns mais actualizados, outros nem tanto, outros mais com o objectivo de tertúlia à volta do vinho, outros mais virados pra crítica de vinhos onde o Copo de 3, o Pingas no Copo e o Que Tal o Vinho se destacam pla "semelhança" ao Vinho da Casa, onde o tema principal é a divulgação das apreciações pessoais dos vinhos que se vão provando.

Sabendo de antemão, que o Copo de 3 já leva um elevado número de visitantes desde 2005, quase 25000, e que o Que Tal o Vinho já tem quase 3 anos de existência, eu e o meu amigo Pingus Vinicius do Blog Pingas no Copo só temos que nos sentir felizes e lisonjeados pois temos ambos apenas 2 meses de existência, pois estamos a lavrar o mesmo caminho com paixão, prazer e lealdade.

Um abraço a todos os Bloggers distinguidos na Revista de Vinhos, e os meus sinceros parabéns.

sexta-feira, Junho 23, 2006

Ázeo Rosé 2005




Das mãos do Enólogo João Brito e Cunha, nasce este rosé Ázeo, que em latim significa bago de uva, produzido integralmente com Touriga Nacional da colheita de 2005 proveniente das zonas mais altas do Douro Vinhateiro, entre os 450 e os 500 metros.

Apresenta 13º após uma fermentação em cubas de inox a baixas temperaturas.

Fiz a prova a 8º deixando evoluir até aos 10º.

A cor é brilhante, viva e bonita, em tons rosados com um ligeiro salmão.

No nariz, os aromas que vêm ao de cima são a melancia fresca, cerejas, e um floral bem presente, com aromas de rosas e perfume primaveril.

Na boca a acidez é alta, não mostrando presença de açucar, conseguindo-lhe dar uma frescura ímpar, com a fruta vermelha a marcar de novo pontos, com morangos e novamente cerejas.
Notei também uma suavidade e uma ligeira untuosidade na boca, que confere a este rosé um perfil equilibrado e um conjunto óptimo para acompanhar estas tardes de verão e porque não tentar umas pastas leves ou uns pratos frios!

O final é afinado bastante seco e de boa qualidade, deixando na boca durante algum tempo um perfume floral e um pouco especiado.

Um conjunto bem afinado, com a acidez ideal para poder disfrutar de toda a frescura que um rosé nos pode trazer, com a Touriga Nacional a provar que é excelente também em rosés.

Nota 16,5

terça-feira, Junho 20, 2006

Alvear Syrah 2004




Desta vez por terras Sul-Americanas, mais precisamente em Guaymallen na zona de Mendoza na Argentina, aparece este Vinho da Casa das Bodegas Alvearfeito integralmente com Syrah e com 13,5º.

A cor é rubi de boa concentração, sem deixar clarear muito do meio até ao anel do copo.

No nariz, a casta mostra-se muito presente com notas de farmácia, menta e pimenta verde em primeiro plano. Com o agitar do copo, consegue-se chegar a fruta preta de boa qualidade, com um fundo muito leve de móveis antigos.

Levando o vinho à boca, a fruta preta mantém-se presente, com o chocolate preto auxiliar a prova. A acidez é elevada mas adequada, embora com o açucar um pouco presente, mas não em demasia, mostrando-se um vinho equilibrado, mas um pouco guloso, conseguindo um final algo especiado de média duração.

Se não fosse a gulodice do vinho, estávamos perante um grande Syrah, ficando a nota de prova algo moderada por esse facto.

Nota 15,5

quinta-feira, Junho 15, 2006

Catarina 2005




Apesar de o tempo estar a piorar, e há até quem diga que a vindima deste ano vai ser muito má, pois na zona do Douro, houve produtores que com a "chuvada" de ontem perderam 90% dos seus vinhedos, principalmente vinhas novas... o Vinho da Casa vai ser um branco de verão, mas que também pode acompanhar vários pratos quentes.

O nome Catarina foi atribuído em homenagem a Dona Catarina de Bragança, mas também a todas as Catarinas.

É produzido numa das maiores casas das Terras do Sado, a Bacalhôa Vinhos, feito à base de Fernão Pires e Chardonnay, com parte do lote a estagiar em madeira sendo o resto em inox.
Com 13,5 é aconselhável beber com moderação, pois os brancos podem enganar... São frescos, bebem-se bem, mas depois quando se vai a levantar da cadeira.

Apresenta uma cor muito pouco concentrada, algo transparente, um amarelo pálido com tons verdes mostrando a juventude que ainda tem.

No nariz, a frescura deste vinho é bem marcante, limão e melão casados muito bem ( até em termos semânticos é curioso, LI-MÃO > ME-LÃO), relva verdinha, um pouco de ananás, e com um carácter floral presente.

Na boca a fruta fresca continua a marcar a prova, com uma acidez elevada, bem vivo o vinho, meio seco, mas com uma suavidade enrome na forma como se comporta na boca de louvar, com a untuosidade característica da casta Chardonnay e o sabor a rebuçado de limão a perfazerem um longo final.
Nada de madeira presente no vinho, talvez com o tempo ela apareça, mas também se não vier não será necessário, pois o vinho está muito muito bem, e está óptimo para ser bebido desde já.

Nota 15,5

quarta-feira, Junho 14, 2006

Duque de Viseu 2004




O Vinho da Casa é um branco que vem das terras do Dão, sendo a empresa produtora a grande Sogrape, por isso em qualquer comércio é possível ver esta garrafa.

É produzido a partir das castas Bical e Encruzado (e em menor percentagem, Cercial e Malvasia Fina) plantadas na Quinta dos Carvalhais.
Posteriormente é engarrafado após um curto tempo de estágio de cerca de 4 meses onde o lote seleccionado é mantido em cubas de aço inox, sendo que uma pequena parte estagia em barricas de carvalho.

Apresenta 13º.
Provei este vinho, num curso ministrado plo Rui Falcão da Blue Wine no Palácio da Bolsa, onde tirei as seguintes considerações:

Nariz: Bastante frutado, com ananás, maçãs verdes, um ligeiro toque de cânfora, notando-se ligeiros toques de manteiga.

Boca: Boa acidez, fresco, nada enjoativo, continuando com ananás em grande plano, terminando com a banana e a baunilha presentes.
Nota 14/15

domingo, Junho 11, 2006

Dão Vinhos e Sabores

Ora bem, o Vinho da Casa esteve presente ontem num dos pátios mais bonitos do País, no Pátio das Nações, no magnífico Palácio da Bolsa, onde aconteceu mais um evento conduzido pelo Espaço Essência do Vinho, desta vez com a ajuda da CVR Dão e de 36 produtores do Dão.

Com pouco público presente, apesar de ser entrada livre, talvez justificado por ser dia de Portugal, estar bom tempo, a Selecção jogava no dia a seguir, estavam a decorrer jogos do Mundial, etc.
Foram estas as considerações dadas plo Nuno Guedes Pires, pessoa que já conhecia a alguns tempos, mas que é sempre um prazer falar com ele, pois a humildade e a simpatia que demonstra são de louvar.

De realçar mais uma vez, a excelente atenção em manter os vinhos à temperatura adequada, assim como os copos de boa qualidade.

De entre os 36 produtores, ficaram-me na retina as seguintes provas:

Quinta da Vegia Reserva 2003
Vinha Paz Reserva 2003
Quinta de Lemos símbolo Verde 2003 e símbolo Branco 2003.
Quinta da Falorca Touriga Nacional 2003
Quinta da Falorca Reserva 2001
Quinta dos Roques Touriga Nacional 2003
Quinta dos Carvalhais Encruzado 2004

Como boas surpresas:
Porta Fronha 2005 - Pela frescura
Pedra Cancela 2004 - Pela gulodice

De relembrar também, a excelente festa que ocorreu à noite, onde um DJ convidado moderou o som, com bons momentos de Chillout e boa música ambiente.
Durante esta Wine Party, estavam disponíveis para beber vários vinhos do Dão, 8 Tintos, 8 Brancos e 4 espumantes.
Para beber mesmo, pois não havia cuspideiras, portanto o melhor vinho da noite acabou sempre por ser o último, perceba-se porquê.

Um evento a repetir, pecando apenas plo pouco público, embora se tenha estado muito confortável assim.

Os meus parabén à organização.

sexta-feira, Junho 09, 2006

Cartuxa Tinto Colheita 2000




Este Vinho da Casa não necessita de grandes apresentações, pois penso que todos o vêem em todo o lado, e já tem um historial enorme. Basta apenas dizer que este Colheita na altura foi vinificado com as castas Aragonês, Trincadeira, Tinta Caiada, Castelão e Alfrocheiro, apresentando 13º com estágio em madeira.

Este vinho foi para mim, antes de "entrar" nestas andanças uma referência Nacional, mas penso que hoje em dia estará um pouco longe disso, pelo menos a mim o vinho não me convenceu.
Ofereceram-me no Natal duas garrafas destas, tendo aberto a primeira na passagem de ano, tendo-lhe notado uma acidez um pouco desequilibrada, tendo pensado na altura que fosse problema de garrafa, mas como verão mais abaixo, esta garrafa ora aberta apresenta as mesmas características.

Optei por iniciar a prova a 15º, mas foi aos 17º/18º que o vinho se tornou mais atraente.

Apresenta uma cor rubi, com reflexos de vermelho quente no anel.

Um nariz de intensidade mediana, algo floral e com notas de cereja, conjugado com carácter vegetal. Em segundo plano aparecem aromas quentes, terra húmida, tabaco. Para completar o lote, faz-me pensar ligeiramente em lagares. Nariz correcto mas nada exuberante.

Na boca mostra-se encorpado, com uma boa estrutura, no entanto a acidez desequilibrada não consegue criar um bom perfil. Aparecem umas notas lenhosas e vegetais, lembrando mesmo azeitona com a fruta em segundo plano, mas bem madura.
Final médio e especiado.

De facto o vinho não me convenceu, pois com o preço que apresenta, 13 euros, podemos encontrar alternativas melhores e bem mais em conta.
Nota 14

segunda-feira, Junho 05, 2006

Quinta da Casa Amarela 2003




Cá estou para apresentar mais um Vinho da Casa, e pode-se dizer que este é mesmo "caseiro", pois este vinho nasce de um projecto familiar, onde Laura Regueiro e seus dois filhos fazem a produção numa quinta do Douro, na margem esquerda entre a Régua e Lamego.

Casa bastante reconhecido na produção de vinho do Porto, decidiu em 2000 iniciar a produção de vinhos DOC-Douro, onde nos presenteia com este colheita de 2003.

Um vinho elaborado com as castas nobres durienses, Tinta Amarela, Toutiga Franca, Touriga Nacional e Tinta Barroca, com 13,5º, com uma passagem ligeira pela madeira.

Iniciei a prova a 15º, com decantação prévia, facto que acabou por ser bem sucedido pois tinha algum depósito.

Apresenta uma cor vermelha granadina ainda jovem de média concentração.

No nariz, a presença de fruta silvestre e algumas notas florais é inevitável conjugado com notas químicas. A presença deste casamento com ligeiras nuances de madeira dá-lhe um bom aroma, nada exuberante mas convidativo à prova de boca.

Sendo o convite aceite, a primeira sensação são as compotas de amoras, também com nozes a assumir um papel principal na boca.
Com uma acidez algo comedida e com taninos suaves, o vinho torna-se bastante fácil de ser bebido, redondo e correcto, terminando com um final médio onde a baunilha proveniente do estágio em madeira perfuma a boca.

Nota 15,5
PVP aprox. 9 euros

Sendo um vinho de quantidade limitada, a numeração é feita no rótulo, tendo sido esta prova condecorada com o número 11538.


sábado, Junho 03, 2006

Quinta das Hidrângeas 2003




O Vinho da Casa deste fim de semana, é um vinho cheio de carácter, no perfil mais robusto que o Douro Vinhateiro pode permitir.
Henrique Tiago Pinto & Filhas, fizeram este vinho Doc com Tinta Amarela, Tinta Barroca, Tinta Roriz e Touriga Franca, apresentando 13,5º, tendo estagiado durante 12 meses em barricas de carvalho francês Allier.

Provado em prova cega, o vinho aparece quase preto na cor, com uns aromas de fruta muido madura, amoras pretas, groselhas, muito mas muito intenso no nariz, com algumas presenças de licor a marcar o nariz, juntamente com boas notas provenientes da madeira, com chocolate e algumas notas de folhas de tabaco.

Na boca o vinho está muito vivo ainda, com os taninos aguerridos, com uma acidez algo elevada, mostrando um bom corpo, fazendo com que a prova se torne um pouco díficil, no entanto com a fruta preta a encher a boca, ficando um final ligeiramente alcoolico, perdendo aqui todos os atributos de vinho "cheio".

Talvez será melhor esperar que o tempo em garrafa trate de afinar este vinho, pois ele mostra grande qualidade no nariz, mas está ainda muito agreste. Só o tempo o dirá, mas a partida poderemos ter no futuro um vinho para uma refeição de carnes vermelhas, ou para acompanhar uns enchidos.

Um vinho feito pra durar.

Nota 15,5