segunda-feira, Dezembro 18, 2006

Uma passagem pelas Beiras

Em direção à famosa zona do Leitão, virando para a Anadia, e por uns caminhos apertados, cheguei à Amoreira da Gândara, onde Luís Pato tem a sua adega. Luís Pato, para quem não souber, é o grande homem que revolucionou a casta Baga, e com muito orgulho afirma que é uma casta com semelhanças à italiana Nebbiolo.

Actualmente os vinhos de Luís Pato estão com grande sentido internacional, como é o caso do branco Maria Gomes, que vende muito no Japão por ter o nome “Maria” associado. Ao que me foi dito as japonesas gostam muito que o vinho tenha um nome feminino, talvez estejam finalmente a conseguirem emancipar-se?

As instalações foram recentemente remodeladas, e o grande salão de estágio situado abaixo do solo, está neste momento protegido por uma enorme camada de relva, o que lhe traz excelentes condições de conservação, principalmente em questões de humidade.

Provei amostras de barrica da colheita de 2005 dos tintos, Vinhas Velhas, Vinha Pan e Vinha Formal, os três ainda muito crús, em construção mas já com alguma elegância e acima de tudo frescos, cheios de menta e de frutos silvestres e com uma acidez muito bem colocada.

Com tempo ainda de visitar a enorme sala de guarda, onde Luís Pato tem uma enorme estrutura metálica, onde guarda cerca de 10.000 garrafas de colheitas antigas, seguimos em direcção a um grande caixote branco. Ora pergunto eu, o que faz uma arca frigorífica aqui no meio disto tudo? Pois, se Luís Pato é vanguardista, então que dizer da sua filha, Filipa Pato, que se lembrou de fazer um Icewine em plena Beira Litoral!
Se aqui não há gelo de forma natural, arranjou-se forma de o fazer...
Lá dentro da câmara frigorífica, a cerca de -2ºC estava uma barrica nova, com o tal vinho de gelo. E de 2006! Perfeito, simples e com aromas muito arejados. Foi o primeiro vinho de 2006 que bebi. Com muito medicamento no aroma, com aroma a uva, isso mesmo, uva e alguma mineralidade. Doçura, nem vê-la, tem cerca de 100 gramas de açúcar residual, mas nem se nota.

Com esta visita, deu para perceber a juventude que vai dentro do produtor, a facilidade e frontalidade com que fala do vinho e, acima de tudo, uma enorme simpatia e abertura para com aqueles que o querem visitar.

Depois de muita conversa, o leitão já esperava e lá fui em direcção à Mealhada.
Aqui ficam também algumas notas de prova de alguns vinhos provados, todos engarrafados e da colheita de 2005.

Luís Pato Maria Gomes 2005
Ligeiro na cor, com uma boa entrada citrina, notas de limão, ananás, floral qb, ligeiro medicamento, num tom perfumado e afinado. Bem na boca, com a acidez a dar um toque fresco, ligeiro, mas com uma certa untuosidade que acaba por trazer algum corpo ao conjunto, com alguma doçura de fundo, com um final elegante e perfumado.
Nota 15

Luís Pato Vinhas Velhas branco 2005

Este vinho tem um estágio em barricas de Castanho, 40% e o resto em inox.
Bem na cor, com mais concentração que o Maria Gomes.
Boa entrada tostada, com o vinho a espelhar o seu terroir, pois o fumado e a tosta não provêm do habitual "carvalho" mas sim do solo argilo-calcário. (Ensinamento do próprio Luís Pato, pois eu estava convencido que este aromas era do contacto com a madeira).
Aparecem também aqui espargos brancos e pimenta branca num perfil bastante elegante. Muito floral, com ananás, num tom fresco, com notas de grafite e ligeiro vegetal a trazer-lhe uma boa complexidade aromática.
Com corpo na boca, envolvente e delicado, com a acidez equilibrada e de perfil mineral, com muitas notas citrinas, a madeira presente mas sem desafinar o conjunto, trazendo-lhe elegância na boca, e que acaba num final perfumado e com notas de hortelã.
É um vinho muito bem feito, com a acidez/fruta/madeira em perfeita sintonia e com corpo suficiente para acompanhar uns peixes gordos.
Nota 16

João Pato Touriga Nacional 2005
Negro, com ligeiros reflexos rubi.
No nariz, um bom primeiro impacto floral, com notas de violeta, alguma tinta da china, muita menta, arbustro e bagas silvestres.
Apresenta um aroma muito fresco e enérgico, cheio de força, com um fundo mineral interessante.
Na boca o vinho permite uma prova agradável, com taninos firmes e bem educados, trazendo algum equilíbrio com a boa acidez que apresenta. Com boas notas herbáceas e frutadas, permitindo um bom final de boca, longo e mastigável, lembrando frutos silvestres.
Talvez um pouco mais de garrafa, poderá vir a trazer mais elegância ao vinho, mas para já está muito bem este Touriga Nacional.
Nota 16

Fagote 2005

Novidade na Companhia de Vinhos do Douro, aparece um branco na já bem conhecida marca Fagote.

Este branco da colheita de 2005, é feito com as castas nobres do Douro, Malvasia Fina, Rabigato e Viosinho, totalmente em inox onde estagiou durante 6 meses.

Com 13%vol. apresenta um bonita cor amarelo-limão com ligeira concentração.
No nariz tem uma boa presença aromática, muito fresco e alegre, com aromas que lembram maças verdes, limão, com algum pendor vegetal, com aquele cheirinho da relva cortada e talo de couve. Neste bom equilíbrio de aromas aparece ainda algum medicamento.

Na boca, o vinho entra quase parecendo que teve algum estágio em madeira, pois tem peso, é untuoso e tem bom corpo, forte no palato, contrabalançado com uma boa acidez que lhe trás alguma frescura com notas citrinas e algum rebuçado, permitindo um bom final, correcto e com algum comprimento.
É um vinho que apesar de muito fresco e limonado, vai precisar de ser bebido à mesa, pois na boca tem um comportamento pesado, que pode enjoar se não tiver acompanhamento.
A conhecer, pelo seu estilo próprio.

Nota 15,5
Preço - 6 euros

domingo, Dezembro 10, 2006

Redoma 2005

Este vinho branco, vindo da Niepoort, que na última década tem mostrado que os vinhos das terras de xisto não funcionam só lá em baixo junto ao Douro, mostra agora ao consumidor a sua colheita de 2005.
É um vinho vindo de vinhas plantadas na zona do Cima-Corgo há mais de 40 anos e numa altitude que varia entre os 400 e os 700 metros. Como se tratam de vinhas velhas, muitas castas certamente estarão plantadas, mas as que dominam o lote são a Rabigato, Viosinho, Donzelinho, Arinto e Códega.

Fermentado em barricas de Carvalho Francês, 40% novo durante 9 meses com battonage periódico.
Com 13%Vol. apresenta uma boa tonalidade amarela-palha, com alguns dourados e de boa concentração.

No nariz, alegre e apelativo, sem se esconder nos aromas, o primeiro impacto é um leque de aromas vindos do estágio em madeira, frutos secos, amêndoa, avelã e um toque fumado. Com o arejamento no copo, as notas verdes chegam abraçadas com a fruta para trazer alguma vivacidade ao conjunto, com espargos, pêssego, lima e ananás.

Na boca, com a acidez lá no alto, mostra-se um vinho fresco, com notas citrinas, bastante mineral, mas nada delgado, pois o bom volume de boca dá-lhe um ar aveludado e equilibra o conjunto, ganhando complexidade, e com um final longo e amendoado que teima em persistir, mostrando um excelente equilíbrio entre a madeira e a fruta.
Acaba por ser um vinho que prima pela elegância, muito aromático, encorpado, denso na boca, complexo mas que nunca acaba por pesar, pois a excelente acidez traz-lhe uma harmonia incrível.

Este Redoma 2005, tem o seu auge à mesa com um bom prato e com copos largos para o deixar mostrar o que lhe vai na alma. E olhem que não é pouca coisa...

Nota 17
Preço - 12 euros
Produção - 15.600 garrafas

quinta-feira, Dezembro 07, 2006

Ristorante Degusto

O Vinho da Casa, aproveitou uma jornada de Liga dos Campeões, onde quase toda a gente se fixou nas televisões, e onde 50.000 Portistas se deslocaram até ao Dragão para ver o Porto-Arsenal, para ir até à Rua de Sousa Aroso, jantar no Degusto.

É um espaço com um design especial, muito moderno, com mesas bem simples, sem os guardanapos a fazerem de couve-repolho por cima do prato, tudo prático e arejado, mas em que o cuidado de apresentação é irrepreensível, pois reparei por exemplo que para "pôr" a mesa , os empregados de mesa sentam-se na mesma para colocar a toalha perfeitamente simétrica e ficam a fazer contas trignométricas para colocar tudo no sítio.

Antes de iniciar a refeição, entre duas palavras com o simpático José Espírito Santo, tomei como aperitivo um Grandjó Late Harvest 2002, muito aromático, nariz doce e melado, com notas de laranja cristalizado, pêssego, figos, na boca com uma boa acidez, com frutos secos a trazer um lado diferente e um final doce.

Já à mesa, como couvert, uma manteiga aromatizada, azeite para molhar um pouco de pão e umas azeitonas pretas aromatizadas com alho habituaram o estômago para o início de uma refeição incrível.

Como saberão, actualmente o Chefe é o Vitor Claro, que tem para nos oferecer um menú de degustação simplesmente tentador, com um custo de 45 euros. Apesar de quase me ter persuadido, acabei por pedir à carta, pois também já tinha tido oportunidade de experimentar algumas das brincadeiras do Chefe em Outubro.

Como entrada veio então para a mesa um Carpaccio de Mexilhão, fresquíssimo, com o mexilhão bem escondido com o tomate triturado por baixo duma salada de vários verdes, bastante hidratados. Por cima umas raspas de queijo davam-lhe um toque divinal.
Veio também de entrada um dos pratos que me deixou completamente derretido.
Coscorões de alheira com vinagre balsâmico. Este prato é só, genial, por duas razões:
1º O doce dos coscorões liga mesmo bem com as especiarias/vinagre da alheira.
2º O crocante dos coscorões e a gordura da alheira faz uma ligação incrivel.

Já de prato principal, a minha opção foi Polvo com gnocchi , presunto e pimento de padron.
Há muito tempo que não comia um polvo tão tenro e tão bem confeccionado, com o amargo do pimento a ligar muito bem com o sabor do molusco. Aqui um pequeno reparo, se é que tenho direito ao mesmo. Os Gnocchi estavam ligeiramente secos, e com uma consistência demasiadamente grossa, um pouco ao estilo "plasticina" que acabava por cansar um pouco o prato. Talvez tivessem farinha ou fermento a mais, pois ao que soube pelo próprio chefe, ainda está em fase de experimentação e os Gnocchi são feitos na hora.

A Joana, optou pelo Lombo de bacalhau cozido em caldo verde, que apesar de "tradicional", pelo que me transmitiu, estava excelente e capaz de mandar abaixo muitos bacalhaus nas mesas de Natal. Ou esteve muito tempo em leite (piada ;) ) , ou cada lombo daqueles deve custar uma pipa de massa, pois a suavidade das lascas que se delicadamente iam caindo do lombo era inigualável.

Porque este é um blog de crítica de vinhos, falo-vos agora do vinho que acompanhou a refeição, por sugestão do José Espírito Santo.

Foi um vinho branco da Alsácia, o PAUL BLANCK SOMMERBERG Grand Cru Riesling de 2001. Que grande sugestão, mal o vinho foi servido no copo, toda a mesa ficou perfumada, um nariz incrível, super delicado. A 10ºC mostra-se muito mineral, com notas florais, algum vegetal seco, madeira muito bem integrada com ligeiro fumado e alguns frutos secos. Mas que um pouco mais quente, a 14ºC, e pelo lado positivo, rapidamente se aproximava perigosamente duma Colheita Tardia ou qualquer coisa do género. Começava a ganhar aromas a mel, a casca de laranja. Muito bom. Achei um vinho multifacetado e charmoso acima de tudo. Tanto se bebe no estilo mineral, como na variante mais "pesada".

Serviço de vinhos de primeiro nível, nunca tinha visto o vinho ser tão bem tratado em Portugal. Que felicidade que é poder disfrutar um vinho fora de casa em condições ideais e em Copos Riedel. Aqui não há que ter medo em pedir um vinho a um preço elevado, pois há condições para o apreciar.

Nas sobremesas, sugeri à minha namorada que experimentasse os Peixinhos da horta com tomate, pois eu já conhecia e que é mais uma daquelas ideias geniais que deixa qualquer pessoa estupefacta com a simplicidade do prato, mas que não lembra a ninguém confeccioná-lo.
Eu optei por um clássico mas com muito boa apresentação, um Queijo da Serra com compota de pevides acompanhado por um LBV de 2000 da Niepoort, que foi servido um pouco quente demais, a cerca de 19/20ºC.

Lá para o fim da noite, e já o Porto estava na próxima fase da Champions, chegou alguém ao restaurante em que eu disse, " eu conheço aquela cara de algum lado", pois... Era o Chefe Augusto Gemelli que vinha também jantar.

É um sítio a repetir sem dúvida, que merece todo o cêntimo ali gasto. Agora preciso é tornar a encher a carteira para lá voltar. Mas que vale a pena vale, prefiro jantar aqui de longe a longe, do que gastar 20 euros mal gastos num outro qualquer restaurante em que sou obrigado a beber cerveja ou então vinho em condições deploráveis por vezes.
Foi uma grande noite, e uma das melhores refeições a que já tive direito.
Adorei mesmo. A companhia também era boa, a música de fundo ideal, e todo o serviço brilhante.

Os meus parabéns por este excelente espaço.

Nota 21 :)

segunda-feira, Dezembro 04, 2006

Muxagat 2003

Este vinho, oriundo de terras bem lá no Alto Douro, onde o Côa encontra o Douro, é feito pelo neto do grande senhor Fernando Nicolau de Almeida, o pai do Barca Velha.

Mateus Nicolau de Almeida fez então este Muxagat tinto 2003 com as castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta roriz e Tinta Cão, em lagares de pedra e com um estágio em Carvalho Francês, novo e usado.

Com 13%vol. mostra uma boa cor de média concentração.

Elegante no nariz, com ligeiro químico e alguma menta, com um perfil muito floral, lembrando violetas, muita fruta vermelha de boa qualidade, cerejas, amoras, alguma compota, sempre com as notas de barrica muito bem integradas no vinho, com ligeiros frutos secos e algum chocolate preto e um tom abaunilhado que perfuma o conjunto.
Mostra ainda com um fundo fresco muito interessante que lhe traz um estilo muito próprio e longe dos sobremaduros "Douros" de 2003. Com 13% naquele ano deve ter sido dos poucos casos.

Na boca é isso mesmo que se encontra, frescura, estilo clássico, taninos afinados, de bom corpo, equilibrado, com a ligação madeira/fruta muito bem conseguida, com cerejas, fundo balsâmico e com boa acidez, permitindo um bom final com notas de baunilha.

Está aqui um vinho diferente do actual Novo Douro, longe de excessos de maturação, com pouca graduação, num estilo próprio, sóbrio e acima de tudo equilibrado. Não fala demais, mas também não diz asneiras.

Nota 16,5
Preço 12 euros