segunda-feira, Fevereiro 09, 2009

Lavradores de Feitoria Sauvignon Blanc e Viosinho 2007

Se há empresa de que me orgulho de a ver crescer, de criar vinhos e de ser bem recebida por nós, mortais consumidores é esta. Aquilo a que chamávamos Cooperativas, que foi o "ganha-pão" de muitos pequenos lavradores espalhados pelo país nos século anterior, hoje em dia não está na moda... Muito menos no Douro onde apenas um par delas produz vinho, e que nós, enófilos atentos e cheios de "porras" não consumimos. Falo-vos por exemplo da Adega Cooperativa de Alijó, de Murça, de Favaios... Enfim, vinhos de segunda dizemos nós, enófilos!

No entanto, a Lavradores de Feitoria não segue as mesmas linhas orientadoras duma típica Cooperativa, no entanto a sua forma de actuar pode ser encarada como tal. Eu gosto-lhe de chamar a Cooperativa do Futuro. Para perceberem o que estou a dizer, e para não repetir mais uma apresentação igual e repetida a tantas outras já feitas, nada melhor que ver o original em www.lavradoresdefeitoria.pt

Falemos de vinhos.
Mais abaixo, aqui no blog, tenho a nota de prova do topo de gama, o Lavradores de Feitoria Grande Escolha 2005. Agora, falo-vos do resto da equipa.

Lavradores de Feitoria Três Bagos Sauvignon Blanc 2007
Este branco é pra mim sempre um contrasenso. Não tenho grande empatia com esta casta, no entanto, este Sauvignon é um vinho que me dá muito prazer beber e até me dá vontade de preparar um prato que eleve a frescura e exuberância. Tenho provado "teóricamente" os melhores Sauvignon's em extreme do mundo, e mesmo assim não me dizem grande espingarda.
Nariz muito inebriante, com relva cortada, muito maracujá e fruto tropical fresquíssimo. Com um corpo de realçar, o vinho tem uma acidez média-alta, resistente e muito citrina. As notas de ananás e de alperce são irresitíveis. A madeira está muito leve, mas dá-lhe alguma cremosidade e balance na boca. A frescura quase irritante e a exuberância q.b. fazem-me transportar para um fim de tarde de verão a ver o sol a beijar o mar como prelúdio de uma noite de alegria com uma brisa fresca marítima. Um belíssimo branco do Douro, no seu estilo único.
Nota 17Justificar completamentePreço 8/9 euros

Lavradores de Feitoria Três Bagos Viosinho 2007
Um extreme de Viosinho, coisa rara no Douro. Embora não tenha sido provado lado a lado com o Sauvignon, no nariz é bem mais tímido. Marcado um pouco pela tosta da barrica, envolvida com frutos brancos maduros e flores. Mostra alguma frescura vegetal, mas o carácter deste branco é mais de meia-estação, com alguma complexidade, não tão focado na frescura citrina. Na boca mostra-se sedutor, com toques de baunilha, acidez a segurar e a marcar um perfil intenso, saboroso e de frutos maduros. Para estreia, está muito bem.
Nota 16
Preço 10 euros

Voltarei para falar dos tintos, esta semana... maybe.

1 comentário:

  1. Sempre gostei da casta Suavignon Blanc, produz vinhos bastante aromáticos.
    Muito boa prova...

    Abraços

    Joel e Raul Carvalho

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.