segunda-feira, maio 15, 2006

Syrah Cortes de Cima 2003




O Vinho da Casa desta vez é um monocasta, dum produtor apreciado por grande parte dos consumidores.

Provado em prova cega.

No copo mostra-se retinto e bastante concentrado, evidenciando um vinho com bom corpo de certeza.

Quando se leva o nariz ao copo, os resultados são apaixonantes… Começando pelo chocolate, pelas folhas de tabaco, algumas notas de farmácia e, para mim o melhor de todos, o aroma a pinheiros, a terra húmida… lembrando um final de tarde de Outono.

Ora bem, com estes argumentos, o rótulo de alentejano já não lhe escapa.
Fazendo a prova de boca, a fruta aparece com grande qualidade, com boa estrutura, amoras pretas, groselhas, um pequeno toque de morangos, tudo muito maduro, com um final bastante especiado… Para quem conhece as Cortes de Cima, este não engana…

Eu na altura apontei a hipótese de ser o Incógnito… Foi ao poste.
Em suma, um vinho regional alentejano, produzido com as mais velhas vinhas de syrah em Portugal, anos 80, na zona da Vidigueira por um Dinamarquês que viajava de veleiro à procura de vinhas e, que, aterrou no nosso país por acaso. E muito bem fez ele, pois com este vinho consegue mostrar todo o seu esplendor desta casta, mas nunca fugindo ao perfil Cortes de Cima, e que belo perfil…
Cerca de 13 euros a garrafa.

Nota 16,5

5 comentários:

  1. Conjurado8:54 da tarde

    Que argumentos o levaram a descobrir que o rótulo era alentejano ?

    Vejo que conhece bastante bem o perfil dos Cortes de Cima para este não o ter enganado... que vinhos desta casa já provou para tal afirmação ?

    Comparar o Incógnito com este Syrah 2003 só pode ser um delirio.

    Vamos ter um bocado de bom senso...

    ResponderEliminar
  2. Olá Conjurado!

    Os aromas quentes no vinho disseram-me logo que era um alentejano, tais como, encorpadissimo, denso, folhas de tabaco, os chocolates, tudo num perfil muito elegante mas cheio. Garanto-lhe que este vinho não consegue escapar ao rótulo de "alentejano", apesar se ser de uma casta francesa, no entanto, cultivada na
    Vidigueira desde os anos 80!
    Por sinal a Syrah mais antiga de Portugal!

    Em relação às Cortes de Cima, conheco todos os vinhos da Casa, desde o Chaminé ao Reserva( Top 10 Nacional).

    Fiz a prova vertical por duas vezes na Essencia do Vinho deste ano! Sexta feira e Domingo! Participei na prova "Cortes de Cima" no início deste mês de Maio no espaço Essencia do Vinho também!

    Provei alguns também em casa e na Galeria de Vinhos!

    E quando estava na prova cega, opinei ser o Incógnito, pois caso não saiba, ( suponho que saiba), o Incógnito é feito apenas de Syrah também!

    Foi ao poste! Sorte? Talvez...

    ResponderEliminar
  3. Conjurado1:30 da tarde

    E em prova cega também sabia que era do Alentejo ? Dúvido.

    Visto que conhece bem o perfil desse produtor não quer partilhar com os restantes leitores e mesmo comigo o que caracteriza os vinhos Cortes de Cima ?

    Desculpa mais uma vez, mas com tanta prova vertical e temática dedicada a esta casa... não acha estranho que tenha confundido o Syrah 2003 com o Incógnito ? A casta é a mesma o mesmo já não se pode dizer do perfil do vinho.

    ResponderEliminar
  4. "Duvido" e não Dúvido...
    Meu amigo Conjurado... Espere... Amigo não! Pois não se identifica!

    Dúvidas todos nós temos, se tivesse presente na prova cega na altura poderíamos ter debatido vários assuntos acerca do Syrah.
    Tenho todo o gosto em falar sobre vinhos, mas responder a perguntas apenas com o objectivo de me testar não é o meu Hobby.
    Já reparou que nos seus 2 posts, não disse nada mais a não ser "tentativas" de testar os meus conhecimentos.

    Um abraço.

    PS: Eu não sou profissional, se quiser esclarecer todas as suas dúvidas sobre as Cortes de Cima, leia o artigo publicado na 1ª edição da Blue Wine, ou mesmo no site do Produtor em http://www.cortesdecima.pt/

    ResponderEliminar
  5. Tentando concluír esta questão, vou colocar aqui as notas de prova do Guia do JPM, que curiosamente, coloca em ambos os vinhos o rótulo de Alentejano, quer o rótulo típico de Syrah:

    Incógnito 2003:
    "Denso na cor mas não preto, ESTÁ COM AS NOTAS DA CASTA BEM CASADAS com a madeira(...) É UM SYRAH ALENTEJANO NO QUE ISSO TEM DE MACIEZA, DE ARREDONDAMENTO, DE NOTAS QUENTES E CALOROSAS."

    Syrah 2003:

    "MUITO BEM NOS AROMAS DA CASTA, (...), NA BOCA NÃO PERDE O CARÁCTER ALENTEJANO, COM UMA MACIEZA..."

    Portanto, parece que afinal há parecenças... Ou se calhar não... Talvez o Conjurado ache que o João Paulo Martins também esteja errado.

    Sem mais,
    Paulo Silva

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.