terça-feira, abril 10, 2007

1ª Prova Cega - Tintos até 10 euros

Pela primeira vez, aventurei-me em casa a provar vários vinhos em prova cega.
Juntei dois vinhos Alentejanos e dois vinhos do Douro, todos a preços abaixo dos 10 euros.
Foi este o único factor de comparação, pois os anos são diferentes.
Diverti-me bastante, os vinhos puxam por nós e os resultados foram curiosos. Já não é a primeira vez que provo em prova cega, mas com o moleskine e com a caneta na mão é a primeira.
Penso que daqui em diante, vou por vezes abrir 3 ou 4 garrafas e recorrer a este estilo de prova.
Apesar de saber quais os vinhos em prova, nunca os tinha provado anteriormente.
Os vinhos foram os seguintes:
Dona Maria 2004
Fagote 2004
Monte da Peceguina 2005
Quinta Seara D'Ordens 2003


Aqui ficam as minhas notas:

Dona Maria 2004
Tinto com 14,5%Vol. vindo das vinhas de Estremoz do produtor Júlio Tassara de Bastos com Aragonês (50%), Cabernet Sauvignon ( 20%), Alicante Bouschet (15%) e Syrah (15%), estagiados 6 meses em Carvalho Francês e Americano.

Cor jovem, granada e de média concentração.
No nariz, cativante, bastante fresco e mentolado, com uma grande dose floral. A envolvência tostada da madeira está muito bem integrada, com ligeiro fumado, onde a fruta, nada madura, lembras bagas silvestres juntamente com notas de chá verde e muitas especiarias. Um aroma muito sui generis, afinado e num fundo balsâmico.
Na boca, o vinho apesar de ter bom volume, ele é todo apoiado numa acidez elevada, que lhe traz grande frescura, muito perfumado, sempre com toques balsâmicos e achocolatados aqui e ali, com os taninos bem afinados, num final médio-longo, especiado e com notas de tabaco.
Um vinho muito bem feito, que dá prazer e que pede para ser bebido, quer no cativante aroma, quer no fresco e afinado paladar. Um pouco mais de complexidade e persistência e estava aqui um senhor vinho.
Nota 16
Preço 8 euros


Fagote 2004
Tinto com 13%Vol. da Companhia de Vinhos do Douro, nascido nos solos xistosos do Douro Superior, com Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Barroca e Touriga Franca, que estagiam 12 meses em Carvalho Francês.

Com uma cor rubi jovem e de boa concentração.
No nariz, ainda algo fechado, com uma certa dose de mineralidade, que talvez o desmascare logo, com fruta fresca, ameixa, morangos e groselhas (xarope). Equilibrado e com alguma complexidade, as notas florais estão cá, notando-se também um pouco de borracha e chocolate amargo. A madeira está perfeitamente integrada no vinho, sem nunca se sobrepôr, com uma tosta ligeira a envolver. Um nariz fresco, elegante e muito mineral, fora das modas de bombas-fruta.
Na boca, de volume mediano, com taninos ainda algo secos e trazerem alguma austeridade, de acidez bem vincada, fresco e acima de tudo elegante. Fruto fresco muito discreto, num tom ligeiramente vegetal, com algumas notas da madeira, chocolate preto e algum fumado. Final de boca médio, com notas de especiarias e mineral.
Um vinho muito equilibrado, sem grandes exuberâncias, discreto e elegante. Mostra claramente que se pode apreciar bons vinhos sem exageros frutados.
Nota 16
Preço 8 euros

Monte da Peceguina 2005
Tinto com 14%Vol. das terras solarengas a sul de Beja da Herdade da Malhadinha Nova, com 40% de Aragonês, 20% de Alicante Bouschet, 15% de Touriga Nacional, e 10% de Alfrocheiro, estagiado em barricas novas de Carvalho Francês e Americano durante 6 meses.

Opaco, retinto e uma brilhante cor rubi.
No nariz, o aroma é intenso e nada envergonhado, com fruta preta e vermelha muito madura e muito densa( amoras, framboesas, cerejas...) quase que a saltar do copo de cada vez que o rodamos, juntamente com notas achocolatadas misturadas com tabaco. Um nariz quente e torrado, com a barrica bem presente , mas sem cair em aromas enjoativos, pois o floral e um leve vegetal(erva seca) trazem alguma frescura e complexidade aromática.
Na boca, entra denso e com vontade de mostrar toda a força, com a fruta uma vez mais a marcar o ponto, estilo compota, acidez suficiente, algum fumo, com a madeira ainda bem marcada no vinho. Os taninos estão muito bem afinados, com uma prova de boca muito envolvente, encorpada e acima de tudo equilibrada, com um final de média duração e algo doce e especiado. Se o final tivesse mais alguma complexidade estávamos perante um vinho muito bom. Ainda assim é um belo vinho. Mas sabendo que estamos abaixo dos 10 euros, não se pode pedir mais.
Nota 16,5
Preço 9 euros

Quinta Seara d'Ordens Col. Selec. 2003
Tinto com 13,5%Vol., vindo da zona de Poiares, da Soc. Agr. Quinta Seara D'Ordens, que produz também Vinho do Porto, e com um postfólio enorme. Feito com 40% de Touriga Franca, 30% de Touriga Nacional e de Tinta Roriz, com um estágio de 10 meses em Carvalho Francês e um estágio em garrafa também de 10 meses.

Cor rubi de média concentração.
No nariz o primeiro impacto é de um forte pendor vegetal, muita erva seca, com algum toque animal ( que ao longo da prova desaparece). A fruta está presente ainda que algo tímida, com fruta vermelha não muito madura misturada. O classicismo parece imperar no aroma, onde se descobrem algumas notas de couro misturadas com caramelo, onde a madeira aparece com notas mais modernas de baunilha, cacau e algum fumo.
Na boca, de corpo mediano, com acidez também mediana e equilibrada, onde os taninos estão presentes mas não perturbam. Boa profundidade, perfumado e com a madeira a envolver um paladar elegante, algo rústico, apoiado no vegetal, no fruto vermelho, com um final longo, com notas de fumo e cacau.
Um vinho clássico, bem feito e que consegue ser identificado com facilidade perante os outros 3 vinhos em prova, pela sua personalidade vincada. Um vinho com carácter e de certeza que muito capaz de ligar com pratos tradicionais ( enchidos, feijoadas, cozidos...).
Nota 15,5
Preço 6 euros

Foi uma prova interessante, onde o Dona Maria me surpreendeu, pois a boa acidez que tem nunca me fez pensar que fosse do Alentejo, e onde o Seara D'Ordens também se mostrou claramente diferente dos outros 3. Ao preço do Seara é uma excelente aposta para quem procura vinhos mais clássicos.

Apeteceu-me eleger um prémio a cada um:

Prémio mais exuberante - Monte da Peceguina
Prémio mais afinado - Fagote
Prémio mais clássico - Seara d'Ordens
Prémio mais nómada - Dona Maria

4 comentários:

  1. Caro Frexou

    Para mim as provas cegas são as mais serias, uma vez que não são influenciadas pelos rótulos. Dou-te os meus sinceros parabens por te aventurares em publico nestas provas. As notas o que mostram claramente o muito que tens evoluido. Já me identifico muito mais com algumas das tuas notas.

    Zé Tomaz

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Zé Tomaz.
    De facto a prova cega exige uma maior sabedoria... Sabedoria essa que eu não a tenho, vou ganhando aos poucos...

    No entanto, e como disse no texto, é muito mais cativante, pois o facto de não sabermos o que estamos a provar obriga-nos a "cheirar com mais força" e a ter mais atenção, do que quando temos o rótulo à frente e à partida já sabemos o perfil do vinho.

    Como gostei da experiência, vou tentar de mês a mês elaborar um painel de vinhos em prova cega.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Bela iniciativa!

    Gosto bastante do "Dona Maria", menos do "Monte da Peceguina" que me parece muito pesadão.

    Um abraço amigo,

    N.

    ResponderEliminar
  4. Pedro Sousa P.T.3:40 da manhã

    Gostei do post do Monte da Peceguina, bem sincero. Quando aos outros vinhos ainda não provei, mas vou tomar nota.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.